Constante não tão constante

18/07/2009

(...a inspiração sempre volta, por mais retalhada que seja! Foi isso que descobri neste tempo que nao escrevi.)

Jardins vastos com flores de imagináveis cores...poderia uma chuva qualquer, como um brinde de Deus, transformar um jardim de rosas cinzas, em rosas roxas naturais ... (sem alegria alguma em algo que só de olhar já nos levanta a alma, já nos faz viver?)
que tal roxas?
Existir, elas não existem, só na minha imaginação...
Imagine...Imagine, como cor de minha alegria... Não pergunte o por quê!
Só acho que ela me representa muito bem como cor, ela me traduz e quando a vejo me enche de felicidade.

Imaginar que azul mais vermelho, duas cores que pra mim são tão contraditórias (algo do tipo azul, o bem e
vermelho o mal) pudessem dar uma cor tão complexa, magnífica ... sublime e 'revoltada' ao mesmo tempo.
Mudando um pouco de assunto, acredito que assim como a cor roxa,assim é o ser humano.
Sublime e revolto... Bem e mal
Complicado e simples... tudo e nada ao mesmo tempo

(acabar por aqui por quê se não este texto vira filosófico e não é por nada não, eu não quero que ele fique assim... quero que ele fique um texto bem comum mesmo! hehehe)

And that's all people!...

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial